A influência política dos pastores

02/07/2024 00:01

 

“O alcance desse engajamento virtual, no entanto, é modesto perto da ampla rede de mobilização formada pelas igrejas pentecostais, com capilaridade em todo o território nacional e influência sobre aproximadamente 25 milhões de eleitores de baixa renda. É nos cultos que os pastores podem fazer uso de sua posição institucional para influenciar o voto de uma massa de fiéis disposta a seguir a liderança espiritual de suas referências eclesiásticas. A mobilização pode ocorrer de maneira indireta, quando pastores associam determinadas candidaturas a forças opressoras e malignas, sem explicitamente revelar seu posicionamento eleitoral. Mas também assumem formas mais diretas de influência, quando esses líderes revelam sinais e orientações divinas para votar em um determinado candidato. Foi notório quando, em 1989, o Pastor Manuel Ferreira, Presidente Vitalício da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil, declarou ao Jornal do Brasil: ‘Após orar e pedir a Deus que indicasse uma pessoa , o Espírito Santo nos convenceu de que Fernando Collor era o escolhido’.”

 

Victor Araújo, A religião distrai os pobres?: O voto econômico de joelhos para a moral e os bons costumes